PPGCOM |

Grupos de Pesquisa

Comunicação, Arte e Cidade – CAC

Ano de formação: 2004

Líderes do grupo:
Cíntia Sanmartin Fernandes e João Renato Benazzi
labcacfcs@gmail.com

FUNDADOR:
João Luis de Araújo Maia

Página na Internet

www.cacuerj.com

Link:

CNPq

Linhas de pesquisa:
Culturas da Mídias, Imaginário e Cidade

Descrição:

O Grupo de Pesquisa CAC – Comunicação, Arte e Cidade é vinculado à linha de pesquisa Cultura das Mídias, Imaginário e Cidade, do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCS/UERJ).

Faz parte do Grupo CAC – UERJ uma rede de pesquisadores formada por professores, doutorandos, mestrandos e bolsistas de iniciação científica com trabalhos na área da comunicação e seus desdobramentos em dois campos principais: arte e cidade. Esses campos da esfera do simbólico portam significações e oferecem novos referenciais nas leituras que se estabelecem sobre o cotidiano na contemporaneidade.

Fundado em 2004 pelo estimado professor João Maia, o Grupo CAC ganhou um espaço próprio em 2010: o Laboratório CAC – Comunicação, Arte e Cidade, que funciona na sala 10.129F, no campus Maracanã da UERJ.

Em 2018, a professora Cíntia Sanmartin Fernandes assumiu a liderança do Grupo de Pesquisa, engajando-se profundamente neste trabalho, trazendo novas contribuições acadêmicas e desenvolvendo parcerias com importantes universidades e instituições no Brasil e no exterior.

O CAC se encontra cadastrado no CNPq (Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil) e na Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa da UERJ, tendo contado sempre com o apoio destas instituições, bem como da FAPERJ, por meio de bolsas ou verbas provenientes de editais.

 
Comunicação, Arte e Redes Sociotécnicas

Ano de formação: 2010

Líder do grupo:
Fernando do Nascimento Gonçalves

Link:

CNPq

Linhas de pesquisa:
– Sociabilidades urbanas e Formas de Vinculação Social
– Tecnologia, Estética e Produção de subjetividade
– Teorias da Imagem, Arte e Cultura Visual

Descrição:

O TRAMA realiza encontros regulares com alunos de graduação, pós-graduação e pesquisadores interessados no estudo dos aspectos históricos, estéticos e políticos dos processos de constituição dos vínculos sociais nas práticas comunicativas envolvendo as TIC, as sociabilidades contemporâneas e as artes. Caracteriza-se não pela convergência de temas ou de objetos, mas pelo tipo de abordagem teórico-metodológica (Teoria do Ator-Rede e Método da Cartografia), apoiado em autores como Latour, Rancière, Didi-Huberman, Deleuze, Guattari e Foucault.

Endereço para acessar este espelho:
dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8173905831456426

Comunicação, Entretenimento e Cognição

Ano de formação: 2007

Líder do grupo:
Fátima Regis de Oliveira 
fatimaregisoliveira@gmail.com

Blog:
entretenimentoecognicao.wordpress.com

Link:

CNPq

Descrição:
Participam do grupo os alunos de pós-graduação Raquel Timponi, Renata Silva e João Ventura e os bolsistas de iniciação científica José Messias Franco e Alessandra Maia. O grupo estuda as articulações entre as práticas de comunicação e a cultura contemporânea. A ênfase da pesquisa está nas transformações dos processos de produção, distribuição e consumo nos sistemas de mídia e de entretenimento contemporâneos, privilegiando seus aspectos cognitivos, éticos e subjetivos. Este grupo articula-se com a linha de pesquisa “Tecnologia de Comunicação e Cultura” do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UERJ.

Comunicação Urbana, Consumo e Eventos

Ano de formação: 2010

Líder do grupo:
Ricardo Freitas 
rfreitas@uerj.br

Link:

CNPq

Descrição:
Dado que a cidade é o locus por excelência da circulação das representações sociais, busca-se pensar os modos como tais fenômenos delimitam o espaço imaginário e condicionam a geração de sentidos nos ambientes urbanos. Assim, grupo investiga os múltiplos fenômenos de comunicação que pontuam o espaço urbano, especialmente os que se relacionam à arte, à ciência, ao corpo, à cultura popular, ao consumo, aos esportes e as suas representações. O grupo se interessa particularmente em investigar os chamados “megaeventos”, produzindo assim, um maior arcabouço teórico para esse fenômeno urbano. Ao longo de cada ano serão estudados megaeventos brasileiros que serão apresentados à sociedade em forma de apresentações em congressos e artigos científicos.

Corps: Corpo, Representações e Espaço Urbano

Ano de formação: 2012

Líder do grupo:
Denise da Costa Oliveira Siqueira 
denisedacosta@ig.com.br

Link:

CNPq

Descrição:
O grupo de pesquisa Corps: corpo, representação e espaço urbano concentra discussões que tratam da temática do corpo urbano na contemporaneidade. Um foco é dado ao corpo midiatizado e suas representações em espaços cujos diferentes suportes – como as histórias em quadrinhos, as revistas, o cinema, os cartões postais, os videoclipes – traduzem a produção da diferença na cidade. Outro foco é dado ao corpo como objeto da arte, especialmente aquele da dança contemporânea em seu caráter urbano e experimental. Espaços, velocidades, suportes e representações buscam, assim, dar conta de como diferentes linguagens e sistemas de pensamento criam e recriam sentidos para algo que nada possui de natural, como diria o antropólogo Marcel Mauss , uma das fontes do referencial teórico que fundamenta o trabalho do grupo.

Culturas Tecnológicas: Medialidades, Materialidades, Temporalidades

Ano de formação: 2010

Líder do grupo:
Erick Felinto de Oliveira 
erickfelinto@gmail.com

Blog:
poshumano.wordpress.com

Link:

CNPq

Descrição:
O grupo tem como objetivo o estudo da cibercultura como campo de estudos coerente e definido, apontando as abordagens, recortes e estratégias metodológicas utilizadas pelos principais estudiosos da área. Busca situar apropriadamente tal domínio de investigação na área da comunicação. Com isso, espera-se oferecer subsídios relevantes para os pesquisadores do tema no Brasil na forma de uma sistematização das possíveis teorias, problemas, setores e métodos da pesquisa em cibercultura. Por outro lado, pretende-se ainda verificar de que modo se relacionam as interpretações críticas e as visões não acadêmicas da cibercultura, de modo a investigar o impacto que certo imaginário tecnológico exerce nas apreensões teóricas sobre as tecnologias digitais.

Esporte e Cultura

Ano de formação: 1997

Líderes do grupo:
Ronaldo George Helal
ronaldo.helal@pq.cnpq.br
Hugo Rodolfo Lovisolo
hugo.lovisolo@pq.cnpq.br

Blog:
comunicacaoeesporte.wordpress.com

Link:

CNPq

Linha de pesquisa:
– Manifestações Culturais do Esporte Moderno

Descrição:
O grupo de estudo “Esporte e Cultura” se formou em 1997, tendo uma linha de pesquisa, Manifestações Culturais do Esporte Moderno, e tem como objetivo investigar a temática esportiva em suas múltiplas dimensões culturais, incluindo análise dos diversos discursos midiáticos em torno do esporte. Os projetos vinculados à linha tratam de questões relacionadas à construção de identidade local e nacional e às narrativas míticas de ídolos esportivos e suas relações com a cultura.

Durante os últimos cinco anos de atividades, o grupo produziu diversas publicações: Em 2001 publicou “A Invenção do País do Futebol”. O livro trata da forma como construímos nossa identidade por meio do futebol bem como dos recursos acionados pela mídia na “construção” de ídolos esportivos. Helal e Gordon apresentaram trabalho na X COMPÓS, realizada na  UNB em 2001 sobre “A Crise do Futebol Brasileiro”. Uma versão em inglês foi publicada no livro de Mangan e DaCosta “Sport in Latin American Society”, 2001. Em 2001, Lovisolo e Soares participaram da reunião do grupo de trabalho “Deporte y Sociedad” da CLACSO, em Quito e foram entrevistados em programas da rádio local. Lovisolo passou a ser editorialista da revista eletrônica Polêmica Imagem/Uerj. Helal e Vieira coordenam desde 2002 o GT “Esporte e Política” na ANPOCS. Helal e Soares apresentaram trabalho sobre “mídia, futebol e nação” na Compós 2003, na UFPE. 

O trabalho é resultado de análise de material jornalístico sobre a Copa do Mundo de 2002. Helal, Soares e Salles escreveram o verbete “futebol” para o Atlas do Esporte no Brasil, org. Por DaCosta. Ainda em 2003, Helal, Gastaldo e Vieira participaram da INTERCOM, em Belo Horizonte, com trabalhos relacionados ao cruzamento entre mídia, identidade e esporte. Soares, Helal e Santoro apresentaram trabalho sobre memória e futebol na ANPOCS 2003. Helal e Cataldo apresentaram artigo, na INTERCOM 2004, sobre as narrativas jornalísticas em torno da morte de Ayrton Senna. Soares, Helal, Bartholo e Salles participaram da ALAIC 2004 com artigo sobre mídia e os dilemas identitários do atleta moderno.  

No momento, o grupo tem se dedicado a análises comparativas em jornais do país e da Argentina. Neste sentido, Helal realizou pesquisa de pós-doutorado na Universidad de Buenos Aires. A pesquisa investigou a imagem do futebol brasileiro na imprensa argentina. Em 2006, o grupo organizou em parceria com a Faculdade de Comunicaçao da Uerj e o diário Lance! O seminário
Copa do Mundo: tendências e perspectivas.

Geografias da Comunicação

Ano de formação: 2008

Página na Internet:

www.geografias.net.br

Link:

CNPq

Líderes do grupo:
Sonia Virginia Moreira
soniavm@gmail.com

Descrição:
O grupo de pesquisa Geografias da Comunicação reúne produção científica sobre comunicação local, regional, internacional e intercultural no contexto da sociedade da informação e do conhecimento. Em 2012, o grupo publicou o seu primeiro livro, que pode ser acessado no endereço
//www.intercom.org.br/e-book/colecao-gps-3.pdf.

A produção do grupo inclui estudos relativos à comunicação local, nacional, regional e internacional; pesquisas sobre fronteiras (midiáticas, digitais, geográficas, disciplinares) estudos de mídia e estudos culturais. Com característica interdisciplinar, congrega pesquisadores radicados no Brasil e no exterior interessados em promover o diálogo e a troca entre os campos da Comunicação e da Geografia Humana. Privilegia análises de mídia pública, privada e independente (locais, regionais, nacionais e internacionais); análises comparadas de sistemas midiáticos; tecnologia e legislação de mídia; estudos sobre comunicação e espaço, em especial no que se refere às esferas locais e à convergência, mobilidade e interatividade midiática. Integram o grupo investigadores e estudantes das seguintes instituições: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Federal de Sergipe, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Universidade Federal do ABC, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade de Sorocaba, University do Texas em Austin e da California State University – Long Beach.

Livros e Cultura Letrada

Ano de formação: 2008

Líderes do grupo:
Márcio Souza Gonçalves
marcio67@oi.com.br
Aníbal Francisco Alves Bragança

Links:

CNPq

Descrição:
O grupo colabora no sentido do fortalecimento da pesquisa acerca dos Livros e da Cultura Letrada no Brasil, dando suporte institucional aos pesquisadores participantes. O grupo atua na formação de discentes de diferentes níveis (graduação como voluntários, graduação como bolsista PIBIC-CNPq, mestrandos) interessados no livro e sua presença e efeitos culturais e, de modo mais amplo, numa reflexão acerca da relação entre meios de comunicação e cultura.

Mídia e Linguagem

Ano de formação: 2021

Líder do grupo:
Leticia Cantarela Matheus 
leticia_matheus@yahoo.com.br

Coordenação-adjunta:
Raquel Dornelas

Links:

CNPq

Descrição:
Investiga múltiplas linguagens e relações de poder a partir de um conjunto amplo de ferramentas metodológicas. Acolhe projetos que procuram entender as dinâmicas de força que se dão nos processos comunicacionais, entendidos como produção social de sentido. As linguagens verbais e não-verbais são tratadas como ações no mundo e, dialeticamente, as ações sociais como atos comunicacionais. O terceiro eixo de trabalho, o acontecimento, funciona como mediador para produção de sentido, pois será em torno dele que se darão as disputas. Não existe um objeto empírico exclusivo, uma vez que o laboratório acolhe múltiplos interesses em pesquisas de médio e longo prazos. Porém há maior afinidade com estudos de práticas jornalísticas e de interações por meio de redes sociais.  Metodologicamente, o laboratório se ampara sobretudo na Análise do Discurso e na Análise Narrativa, podendo eventualmente aderir à Semiótica. Reflexões sobre estética são bem-vindas, desde que observada como campo de disputa.

NECTAR – Núcleo de Estudos sobre Alimentação e Cultura

Ano de formação: 2008

Líderes do grupo:
Francisco Romão Ferreira e Shirley Donizete Prado

Página na Internet:
www.nectar.rio.br

Linhas de pesquisa:
Ciência, arte e cultura na alimentação

Sentidos e significados da comida, do consumo de alimentos e da comensalidade em sociedades contemporâneas

Descrição:

NECTAR investe em pesquisas no campo da Comunicação produzindo estudos sobre consumo de alimentos na cidade a partir do cinema e inova ao trazer para o campo da Alimentação e Nutrição abordagens oriundas das Ciências Sociais e Humanas em estudos sobre sentidos e significados relativos à alimentação e à saúde no universo ibero-americano.

Vem liderando várias iniciativas relativas à organização, estabelecimento de cooperação científica e institucionalização, com destaque para a Coordenação da REDE NAUS (Rede Ibero-Americana de Pesquisa Qualitativa em Alimentação e Sociedade –  redenaus.com)

Mantém parcerias com UFRJ, IOC-FIOCRUZ, UFRRJ, UNIRIO, UFBA, UFC, Universidad de Antioquia, Colômbia, Universitat Rovira i Virgili, Espanha e as Universidades de Lisboa e Coimbra, Portugal.

POPMID – Reflexões sobre Gêneros e Tendências em Produções Midiáticas

Ano de formação: 2021

Líder do grupo:
Yuri Garcia

Descrição:

O atual projeto possui um caráter interdisciplinar de investigação, abordando temas variados que dialoguem com produções midiáticas de alcance massivo. A investigação privilegia uma imersão em referencial teórico que verse com questões epistemológicas da área comunicacional e reflexões de ordem sociopolíticas do pensamento filosófico. Privilegiamos um recorte em torno de produtos que reflitam um âmbito mainstream da cultura contemporânea como o cinema hollywoodiano, histórias em quadrinhos, séries para televisão e streaming etc. Nesse sentido, o foco do grupo é dirigir análises que compreendam questões como representatividade, desigualdades sociais, colonialismo e outras pautas similares em nosso imaginário midiático.